Operação de fiscalização a freteiros se encerra com mais de 200 abordagens

A Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon-PA) finalizou operação de fiscalização de freteiros na região de Carajás, no sudeste do Estado. Nas proximidades do município de Parauapebas foram contabilizadas mais de 200 abordagens a veículos que atuam no transporte intermunicipal de passageiros em regime de afretamento.

Foram ainda visitadas 14 empresas com a finalidade de mostrar a necessidade de efetuarem ou renovarem os seus registros na Agência, para que se adequem às normas previstas na Resolução 02 de 2001 e possam prestar o serviço de forma regular, correta, segura.

Na avaliação do diretor de controle financeiro e tarifário da Arcon-PA, José Croelhas, "a Agência,que vai intensificar a vigilância aos que insistem operar na clandestinidade, estava devendo essa presença, digamos, orientativa. A ação que ora encerramos, com mais de 200 abordagens, sete autos de infração e apreensão de um ônibus, coroada portanto de pleno êxito, deixa no ar a certeza de que a Arcon-PA nunca esteve tão presente e ativa na região, em busca do desenhado aperfeiçoamento do serviço".

Arcon-PA participa de reunião do Fórum Permanente de Segurança do Tráfego Aquaviário da Amazônia Oriental

O  diretor  geral da  Agência de  Regulação  e  Controle de  Serviços  Públicos  do  Estado do Pará ( ARCON),  Bruno  Guedes , participou  da segunda  reunião  com  os  membros  natos  do Fórum Permanente  de Segurança   do Tráfego Aquaviário   da  Amazônia  Oriental (FPSTAOR),que  aconteceu  na  manhã  desta  terça-feira,19. O encontro foi promovido pelo Comando do 4º Distrito Naval, na sede da entidade, no bairro da Cidade Velha, e  foi presidido pelo vice-almirante  Edervaldo Teixeira de Abreu  Filho, novo comandante  da Marinha em Belém.

Na  ocasião , representantes dos  órgão  e  entidades  que  compõem  o Fórum  falaram  sobre  as  ações  que  estão sendo  realizadas por  cada  um,  visando a melhoria , e  principalmente  a segurança,  no   transporte  hidroviário  na  região amazônica.

Em  sua  explanação, o  diretor  geral  da  Arcon,  Bruno  Gueges,  disse  que  a  Agência  faz  diariamente  a  fiscalização  no  Terminal  Hidroviário  de  Belém , assim como  nos  portos   da  capital  e  do  interior  do  Estado.  Guedes ,  informou  ainda   que  a  Arcon ,  no  último  ano  intensificou  as  ações  no  combate  ao  transporte  clandestino  de  passageiros  no  Pará, informando  o  usuário  sobre  o perigo de  utilizar  esse  tipo  de  transporte  não  autorizado  e  notificando as  embarcações  que operam na  clandestinidade.  

Durante  a  reunião  foram  apresentadas   sugestões    pelos  membros  do  FPSTAOR   do  que  ainda  precisa   ser  melhorado em  cada  modal   para  garantir  a  segurança  no setor  hidroviário  na  Amazônia  oriental.

O  Secretario  de Transportes  do Estado  do Pará, Kleber  Menezes , e  representantes  do  Corpo  de  Bombeiros  do Estado  e  da  Polícia  Militar  do  Pará  , também  participaram  do evento.

 

Texto e fotos : Lourdes Cezar – Ascom/ARCON

Arcon-PA deflagra operação de fiscalização no sudeste do Pará

Desde a madrugada desta segunda-feira (18), homens da Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon-PA) fiscalizam o transporte intermunicipal de passageiros no sudeste do Estado, a partir de Parauapebas. A operação visa ordenar o ir e vir de passageiros em regime de afretamento, operacionalizado por uma frota de aproximadamente 350 ônibus e micro-ônibus, alimentando, sobretudo, os grandes projetos de mineração.

Cerca de 120 veículos do sistema de afretamento foram fiscalizados. Por outro lado, as próprias empresas também passam a ser regularmente visitadas, a fim de fornecerem informações mais detalhadas sobre rotas, horários de trabalho, itinerários alternativos, pontos de parada, assim como as condições operacionais dos veículos.

À frente da ação, o diretor de controle financeiro e tarifário da Agência, José Croelhas, explica que a ação busca alinhar o alinhamento econômico e o consequente aperfeiçoamento do serviço. "Trata-se de uma abordagem preditiva, pois somente as empresas saudáveis conseguem, de fato, retroalimentar investimentos que garantam a necessária e desejada melhoria do serviço", considera Croelhas.