Informativo aos Operadores do serviço Alternativo

Informativo aos Operadores do serviço Alternativo

Caro Operador do serviço Alternativo Informamos que este ano(2015) estamos novamente disponibilizando a opção de pagamento da taxa de…

Nova balsa passa a operar na travessia de Moju

Nova balsa passa a operar na travessia de Moju

No último sábado, 05, uma nova balsa começou a operar na travessia do rio Moju, na área onde…

Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2011 JoomlaWorks Ltd.
bakırköy escort beşiktaş escort beylikdüzü escort bostancı escort erenköy escort

Detran mobiliza quase 80 agentes na área das obras de reconstrução da Ponte Moju Cidade

O Departamento de Trânsito do Estado (Detran) integra, há cerca de um ano, a força-tarefa do Governo do Estado que atua, durante 24 horas, no município de Moju, a cerca de 120 km distante de Belém, a fim de minimizar os transtornos causados pelo acidente na Ponte Moju Cidade. Desde a colisão de uma balsa que atingiu um dos pilares da quarta ponte da Alça Viária, que fica sobre o Rio Moju, o Estado determinou a criação de um Grupo de Trabalho (GT) que atua no entorno das obras de reconstrução da ponte, mobilizando uma grande logística e diversas instituições respónsáveis pelo gerenciamento da situação na área.

As ações visam reduzir os impactos do acidente e garantir o funcionamento de serviços prestados à população e a mobilidade urbana. O Detran mantém no local um ônibus com ar-refrigerado, que serve de base para os agentes de trânsito, equipado com rádios transmissores, computadores e outros equipamentos de apoio.

O trabalho ocorre por meio de ações integradas com servidores da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup); Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa); Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado (Arcon); Polícia Militar (PM) e Polícia Rodoviária Estadual (PRE).

A instituição desloca para o município quase 80 servidores, todos os meses. “Dividimos a escala em quatro turnos de seis horas, antes eram oito. Nossa missão aqui é planejar e executar ações que tornem o fluxo de veículos mais ágil e organizado”, frisou o coordenador de Operações do departamento, Walmero Costa.

O planejamento do órgão envolve diversas ações operacionais, como a criação de recuos, que são áreas onde não é permitido o tráfego dos veículos que estão à espera da balsa, a fim de tornar o desembarque mais ágil e sem atropelos. “Desta forma, quem está desembarcando tem o acesso facilitado até a PA-252, que liga a cidade de Moju à Alça Viária, de onde pode seguir o seu destino desejado”, explicou o agente.

Costa também ressaltou que, em cada recuo, de um lado e outro do rio, há agentes de trânsito com o apoio de motocicletas. A missão do grupo é manter estas áreas livres e supervisionar os veículos com acesso prioritário às balsas. “Também temos agentes para informar sobre a aproximação das balsas. Eles ficam em permanente comunicação, trocando informações sobre os veículos que precisam de atenção especial, como a chegada de carretas que transportam produtos inflamáveis ou outros com prioridade para embarcar, como ambulâncias e de passageiros, por exemplo”, acrescentou o coordenador de Operações.

Ele informou que “as equipes trabalham, de forma ininterrupta, durante 24 horas por dia, de baixo de sol ou chuva. Há homens posicionados nos recuos e em toda a extensão das filas de espera para o embarque, nas margens do rio e dentro do perímetro urbano da cidade, auxiliando os agentes de trânsito do município. “Nosso objetivo é contribuir para que o cidadão não sinta tanto os transtornos causados pela queda da ponte. Estamos lidando com pessoas, sujeitas à instabilidade de humor, e ocorre, algumas vezes, de um ou outro cidadão ficar um pouco mais exaltado. O importante é relevar, continuar nossa atividade na área e procurar fazer nosso serviço da melhor forma possível”, comentou.

O administrador Luiz Ferreira, funcionário de uma grande empresa instalada na região, utiliza a travessia com muita frequência. “Passo por aqui quase todos os dias e sou testemunha do bom trabalho desses homens. Não tenho nada para criticar, ao contrário, aproveito para parabenizar, pois eles conseguem organizar com maestria o embarque de carretas, caminhões, ônibus e veículos menores, facilitando bastante a nossa passagem por aqui”, enfatizou o usuário.

Walmero Costa destacou que “a relativa tranquilidade em que se encontra a travessia é resultado de um trabalho conjunto entre Detran, Polícia Militar, Arcon, Corpo de Bombeiros e município, sob a coordenação geral do Governo do Estado. A entrada de uma terceira balsa birrampa também ajudou muito, mas a colaboração de todos os cidadãos tem sido fundamental para que o dia a dia, aqui em Moju, transcorra sem atropelos e para que, tanto moradores quanto as pessoas que trabalham e precisam passar por aqui, convivam num ambiente de respeito e harmonia”, ressaltou o coordenador.

 
Texto: Lene Alves - Ascom/ Departamento de Trânsito do Pará

Arcon participa de arguição com deputados estaduais da Assembleia Legislativa

A Assembleia Legislativa do Estado (Alepa) retomou a arguição de representantes de entidades governamentais, que foram ouvidos na manhã desta quarta-feira (22), no plenário da Casa. A última sessão foi no último dia 15. As políticas públicas de responsabilidade do Estado quanto ao direito à terra, desenvolvimento florestal, regulação de serviços públicos e medidas socioeducativas foram apresentadas pelos titulares de sete instituições governamentais.

Na arguição, foram ouvidos Luciano Guedes, da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará); Bianca Amaral Pamplona Ribeiro, da Central de Abastecimento do Estado (Ceasa); Daniel Lopes, do Instituto de Terras do Pará (Iterpa); Andrei Gustavo Leite Viana de Castro, da Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Pará (Arcon); Thiago Valente Novaes, do Instituto de Desenvolvimento Florestal e Biodiversidade (Ideflor-Bio); Dina Maria de Oliveira, da Fundação Cultural do Pará (FCP), e Simão Pedro Bastos, da Fundação de Atendimento Socioeducativo do Pará (Fasepa).

Durante dez minutos, cada dirigente apresentou dados dos últimos anos e metas já alcançadas na atual administração. Apreciada por ao menos 18 deputados, esta é a segunda sessão de arguições com instituições do Estado. O objetivo é dar oportunidade aos titulares de secretarias, fundações e demais entidades de governo apresentar o que tem sido feito pelos cidadãos, principalmente quanto a avanços e metas para os próximos anos.

Com destaque para a efetivação de parcerias, ampliação das ações que abrangem desde adolescentes internos à sociedade em geral, o presidente da Fasepa apresentou as ações destinadas para os adolescentes que cumprem medidas socioeducativas no Estado. "Em cerca de 100 dias de gestão, implantamos o Plantão Social, que intensifica ações em feriados prolongados e fins de semana. Implantamos atendimento psiquiátrico dentro das unidades socioeducativas em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e fortalecemos a discussão de temas fundamentais como a educação desses adolescentes e jovens com encontros temáticos nos Diálogos da Socioeducação", destacou Simão Bastos.

Ações – O presidente do Ideflor-Bio, Tiago Valente Novaes, falou do esforço da instituição em fiscalizar as questões ambientais. "Hoje temos ao menos 500 mil hectares em regime de concessão e 600 hectares de terras inventariados. Apesar de todos os desafios enfrentados, existe um esforço cotidiano para garantir o processo de manejo e concessão ambiental", disse.

O diretor geral da Arcon, Andrei Gustavo, destacou o reforço na parceria com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), na semana passada, em reunião em Brasília. Mostrou também os avanços que o governo do Estado teve, desde a criação da agência em 1997, e como a Arcon, por meio de fiscalização e da ouvidoria, muito contribui na defesa dos direitos dos cidadãos. Andrei destacou que a Arcon está terminando o planejamento para atuar também no segmento de saneamento básico. “Nosso foco é a fiscalização dos serviços, mas temos muita atenção com o transporte clandestino, o qual combatemos com rigor”. O gestor mostrou também os novos uniformes dos fiscais da agência e que agora podem ser imediatamente identificados.

A diretora da Ceasa, Bianca Ribeiro mostrou que entendimentos com Brasília já estão adiantados e que muitos serviços serão melhorados naquela central de abastecimento. Luciano Guedes, da Adepará, informou sobre estudos para ampliação da fronteira animal do Estado, que se concentrará na divisa do Pará com os estados do Amapá, Roraima e Amazonas, no combate à febre aftosa. O Pará é zona livre de febre aftosa desde o ano passado, e a agência quer manter esse status.

Pela FCP, Dina Oliveira mostrou as antigas atribuições de educação da Fundação Curro Velho, de capacitação do Instituto de Artes do Pará (IAP) e de fomento à cultura popular e incentivo às bibliotecas públicas da Fundação Tancredo Neves, que se uniram para formar a Fundação Cultural do Pará. Pelo Iterpa, Daniel Lopes afirmou que a intenção tem o instituto de seguir em frente com o reconhecimento da posse da terra, focando no agricultor familiar. Todos os gestores serão ouvidos novamente nas comissões temáticas da Assembleia Legislativa, em dia e hora a serem ainda marcados.

 

(Com a colaboração de Luciana Kellen, da Ascom Fasepa)

 
Texto e fotos: Dedé Mesquita - Ascom Arcon
 
 

Rampas de acesso às balsas recebem concreto e sinalização

O governo do Estado iniciou nesta quarta-feira, 15, a última etapa dos trabalhos de concretagem das rampas de acesso às balsas, nas duas margens do rio Moju. O espaço também receberá sinalização completa. A nova estrutura vai agilizar ainda mais o serviço de embarque e desembarque de passageiros e veículos que atualmente utilizam o transporte em embarcações, na travessia sobre o rio. As ações no local são administradas pelo Grupo de Trabalho (GT) formado por vários órgãos e secretarias do governo do Estado, instalado no entorno das obras de reconstrução da ponte Moju Cidade para ordenar o local.

A concretagem dos terminais de embarque e desembarque está entre as ações prioritárias estabelecidas para o local. Além de agilidade, a obra oferece, ainda, mais segurança durante a manobra dos veículos, sobretudo para os maiores e mais pesados. Nem mesmo as fortes chuvas que tem caído na região impedem que o serviço seja levado adiante. A obra é retomada sempre que o ambiente permite novas etapas de aplicação de concreto nas bases construídas na pista. Engenheiros e técnicos da Secretaria de Estado de Transporte (Setran) tem acompanhado o projeto para garantir a eficiência e qualidade da obra.

A previsão é que já na próxima semana a nova estrutura esteja sendo devidamente utilizada. Ao mesmo tempo que melhora o acesso de carros e pedestres às balsas, o GT aumentou a quantidade de agentes do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Polícia Rodoviária Estadual (PRE) e homens da Polícia Militar (PM) para ordenar o trânsito de maneira equilibrada e eficiente. A revitalização da iluminação dos pátios de manobra e o alargamento das pistas de acesso aos terminais também ajudaram a aumentar a rapidez na travessia, que não tem sido maior que 25 minutos para carros pequenos.

Simultaneamente às obras de concretagem das rampas de acesso às balsas, o GT da Ponte do Moju atua também na revitalização da PA-252, que liga a PA-150 à Alça Viária, via Perna Sul, no município do Acará. Os trabalhos de alargamento da rodovia, retirada de buracos e consolidação de aterro mais compacto já alcançaram quatro quilômetros, indo da PA-150 à comunidade conhecida como Luso Brasileira. A obra segue em ritmo constante, mas possui sequenciais intervalos de paralisação sempre que as chuvas tornam o trabalho inviável. Daí a dificuldade em estabelecer uma previsão mais precisa para a conclusão dos serviços na via.

 
Texto: Pedro Paulo Blanco - Secretaria de Estado de Comunicação